27 de fev de 2015

Um almoço especial com as amigas

Macaxeira cozida
Pirão
Arroz
Moqueca de camarão
Guaraná e champanhe alemã 

E muitas risadas... Um encontro maravilhoso para celebrar a vida! 

Porque a vida é bela! 

25 de fev de 2015

Como prevenir o câncer de ovário?

Isso é muito difícil, infelizmente.

Mas algumas coisas podem ajudar muito:

1- Ir na(o) ginecologista anualmente e 
2- Fazer os exames de rotina, como papanicolau por exemplo.

Peça a sua/seu ginecologista para fazer também:

1- Uma ultrassom intravaginal
2- O exame de sangue CA125

Se o plano de saúde ou o SUS não cobrir esses exames, use suas economias, peça dinheiro emprestado, mas não se poupe de fazer esses exames.

Prevenção nunca é demais.


21 de fev de 2015

Sorteio de 1 kit chocolate de páscoa

Decidi fazer uma brincadeira aqui no blog.

Inicialmente era só entre a a família e amigas de Macapá, mas resolvi ampliar para todas e todos comentaristas que passam por aqui.

No dia 01/03/2015, vou sortear um comentário feito em qualquer post publicado neste mês de fevereiro. A pessoa agraciada receberá um kit de chocolate de páscoa.

Já comecei a montar o kit... Acho que vai fical legal.

17 de fev de 2015

Há 3 anos sobrevivendo ao câncer de ovário

Há três anos, eu acordei após uma cirurgia que durou mais de cinco horas,  e fui diagnosticada com
câncer de ovário.

Eu quase não acreditei, mas era a minha nova realidade.
Tive que aceitar e readequar a uma nova vida. Eu também tinha uma colostomia para enfrentar.

Eu tinha muitos planos para o primeiro semestre de 2012.
Eu estava com passagem comprada para o Brasil na semana seguinte a cirurgia.

Lá, eu ficaria por três para concluir a segunda etapa da minha pesquisa de campo.
Eu passaria o aniversário de 70 anos da minha mãe, tínhamos planejado uma grande festa para ela.
Eu estava organizando um workshop em um congresso internacional de nutrição.
E também apresentaria no mesmo congresso alguns resultados preliminares da minha pesquisa do doutorado.

Tudo isso teve que ser extirpado junto com o câncer naquele ano.
Doeu muito, mas não tinha outra coisa a fazer, e hoje eu vejo como uma oportunidade para a vida, para uma reflexão sobre tudo isso e como a saúde e o instante da vida são frágeis.

Ainda continuo na luta contra esse mal nefasto e silencioso que foi se apoderando do meu corpo...
Mas estou viva, sobrevivendo...

Vivo a cada instante, tento se plena em cada minuto, choro, rio... e assim sou eu, assim vou eu levando a vida.

Todas as figuras que eu uso quando escrevo sobre minha luta contra o câncer de ovário são da obra de Henry Matisse, elas me representam muito.

Aqui neste link, eu já escrevi sobre o câncer de ovário, como foi descoberto.
E aqui neste link, eu escrevi sobre a minha colostomia.

16 de fev de 2015

Carnaval no Hospital da Criança e do Adolescente em Macapá

Mais uma vez relembrando bons momentos de trabalho no Hospital em Macapá.

Era carnaval, talvez 1996 ou 1997, enfeitamos os corredores do hospital com serpentinas e balões, colocamos músicas de carnaval, teve até palhaço.

Não só pacientes se divertiram, como as mães, os pais, funcionárias e euzinha, claro.

14 de fev de 2015

Entre tapas e beijos

É carnaval.
Aqui, em Heidelberg, não tem clima de carnaval.
E tampouco, estou neste clima.

Mas como eu acredito que quem faz o clima, somos nós... ontem, sexta-feira, fiz uma surpresinha para o marido para celebrarmos o carnaval, a sexta-feira e o Valentine Tag (dia dos namorados hoje).

Preparei uns tapas, o petisco espanhol. Não estava me referindo a violência física.

O menu foi composto por:

Maionese de batata doce com grão de bico e lascas de bacalhau.
Salada de folhas coloridas com tomate.
Torta folhada de espinafre e queijo.
Pão preto com sementes 
Queijo brie e gruyère.
Vinho tinto francês
Torta Sueca.




E voilá, estava uma delícia!

11 de fev de 2015

Uma poesia do marido

Ro, Rose, Ane

Gracias a la vida, 
que me ha dado tanto,
Teu sorriso, teu encanto,
Energia luminosa, 
Que dos teus olhos emana,
Amo, amo, amo.

Carregar-te no meu colo
Aconchegar-me nos teus seios
Sentir o carinho de tua paz
            A doçura de tuas certezas
                As cores de tua beleza,
                   A magia de tuas sacadas
Amo, amo, amo.

É a vida vivida, sentida
É o caminho, juntos percorrido
É o cálice, é o cio
É o amor de uma, duas , três vidas
Eterno em cada momento
Contigo

Heidelberg, 10 fevereiro de 2015

Flavio Valente

9 de fev de 2015

Viver e não ter a vergonha de ser feliz

Essa música está o tempo todo na minha cabeça... Canta comigo?
No gogó...
O que é, o que é? 
Gonzaguinha

Eu fico com a pureza
Da resposta das crianças
 É a vida, é bonita
E é bonita

Viver
E não ter a vergonha
De ser feliz
Cantar e cantar e cantar
A beleza de ser
Um eterno aprendiz

Ah meu Deus!
Eu sei, eu sei
Que a vida devia ser
Bem melhor e será
Mas isso não impede
Que eu repita
É bonita, é bonita
E é bonita

E a vida
E a vida o que é?
Diga lá, meu irmão
Ela é a batida de um coração
Ela é uma doce ilusão
Hê! Hô!
E a vida
Ela é maravilha ou é sofrimento?
Ela é alegria ou lamento?
O que é? O que é? Meu irmão

Há quem fale
Que a vida da gente
É um nada no mundo
É uma gota, é um tempo
Que nem dá um segundo
Há quem fale
Que é um divino
Mistério profundo
É o sopro do criador
Numa atitude repleta de amor

Você diz que é luta e prazer
Ele diz que a vida é viver
Ela diz que melhor é morrer
Pois amada não é
E o verbo é sofrer
Eu só sei que confio na moça
E na moça eu ponho a força da fé

Somos nós que fazemos a vida
Como der, ou puder, ou quiser
Sempre desejada
Por mais que esteja errada
Ninguém quer a morte
Só saúde e sorte

E a pergunta roda
E a cabeça agita
Eu fico com a pureza
Da resposta das crianças
É a vida, é bonita
E é bonita

7 de fev de 2015

Brigadeiro atapiocado é remédio?

Dizem que para todo mal há um remédio. E o que não tem remédio, remediado está.
Pois eu digo que o que não tem remédio, brigadeiro atapiocado é!

Uma delícia para todo mal.

4 de fev de 2015

Decida ter um dia feliz e contagie as pessoas


Cheguei a assustadora conclusão de que eu sou o elemento decisivo. É a minha maneira de me aproximar das pessoas que cria a atmosfera. É o meu estado de espírito de cada dia que define o clima. Detenho um tremendo poder de transformar a vida em alegria ou sofrimento. Posso ser instrumento de tortura ou inspiração, posso humilhar ou divertir, ferir ou curar. Em todas as situações, é a minha resposta que define se uma crise vai sere agravada ou esvaziada.
Johann Wolfgang Goethe 

Essa frase tem muito a ver com o meu momento, como eu encarei o câncer e o tratamento.
Como eu não sou o tipo que fica lamentando, chorando as pitangas, tem gente que nem acredita que eu tenho uma doença  incurável. Uma doença que limita minha vida em muitas coisas, mas nem por isso eu deixo de  ir a luta.

Eu não sou a pessoa mais infeliz ou feliz do mundo, mas eu tento ser feliz com as limitações que a doença e o tratamento impuseram para mim.

Eu continuo escrevendo minha tese de doutorado. Isso me anima, me gratifica profissionalmente. Quero concluir isto mesmo que  em passos de tartaruga.
Eu e minhas irmãs

Gosto de encontrar as amigas, conversar sobre a vida, rir e trocar ideias. Mas não gosto de encontrar gente baixo astral, negativa e que não reconhece o lado bom da vida.

Descobri que eu sou a pessoa quem mais me ama e por isso eu cuido de mim mesma com muito amor e carinho.
Um exemplo disso é a forma como eu cuido  da minha alimentação.
Faço questão de aliar o prazer do bem comer com alimentos saudáveis que vão alimentar meu corpo e nutrir a minha alma. Isso é muito importante para o meu bem estar.

Eu tento cuidar do corpo também,  no momento não está dando para praticar atividade física, mas quando é possível, gosto de caminhar no bairro.
Tenho praticado Qigong quase todos os dias. Isso me ajuda muito e me dá mais energia.

Tem dias que gosto de me vestir bem,  quero me sentir bonita, então escolho aquela roupa afetiva que eu acho que fica bem.

Nem todo dia é assim, tem dias que estou um bagaço emocionalmente, tenho dores físicas, mas eu tento melhorar isso, seja com terapia, medicação ou qualquer coisa que me faz feliz.

Assim é a minha vida.
Eu posso me entregar a dor irreparável de ter descoberto o câncer de ovário aos 41 anos de idade e me afundar no mar de tristeza sem fim, mas eu também posso me entregar  à vida!
Agradeço por cada dia de sobrevivência desse mal nefasto e procuro encontrar alegria nas coisas simples e até as mais complicadas que a vida me oferece. Porque viver é bom demais!

Agradeço pela família que tenho. Pelo amor incondicional da família e do marido, que está todos os dias do meu lado. As amigas e amigos que sempre me surpreedem e me enchem de amor e carinho. Isso me faz tão feliz e amada.
Mas eu também tenho problemas e preocupações, e não são poucas.
Mesmo assim eu tenho esse poder de decidir como será o meu dia, se alegre ou triste, doce ou azedo, amargo ou picante. Se eu vou contagiar alguém com minha alegria de viver ou não.

Acredito que o importante é se entregar ao prazer de viver um dia de cada vez.