20 de ago de 2013

A sempre interessante Coimbra



 Depois daquela passagem rápida por Coimbra, onde nós só visitamos a Universidade e descemos ladeira abaixo, tivemos que voltar para apreciar um pouquinho mais desta cidade. Não tive tempo para pesquisar sobre Coimbra então descreverei o que fizemos nas duas vezes que lá estivemos.

Há bons motivos para andar com um sapato confortável em Coimbra, salto 10, 15 e agulha não são recomendáveis. As ruas na cidade velha são de pedras e além disso, as ladeiras e escadarias não são poucas não.

Começamos o passeio pela Universidade de Coimbra, que está concorrendo para ser patrimônio mundial. A universidade fica na parte alta da cidade, mas o acesso é fácil, de carro, ônibus e a pé, subindo ladeiras e escadaria (a famosa quebra costas). A Universidade de Coimbra é antiga, e guarda um pouco da história de Portugal. É preciso pagar (acho justo!) para entrar nos lugares mais importantes da universidade, o que inclui a Biblioteca da Joaquina, que é linda e tem um acervo bem antigo e bonito. Em baixo da biblioteca fica a prisão. No passado, estudantes que se comportavam mal, ficavam na cadeia, sem ver a luz do sol.  Tadinhos.

Da universidade é possível ver a cidade e o rio. Essa vista é linda, principalmente em um dia de céu azul e sol a pino. Simplesmente inesquecível.

Não visitamos nenhum museu próximo a universidade, não houve tempo, porém entramos na Sé Nova, pagamos 1 euro cada. A entrada NÃO gratuita é para ajudar nas obras da igreja. As igrejas de modo geral estão em crise.

Descemos ladeira e escadaria abaixo, vale à pena!Passamos por ruelas (bonitinhas),  vimos frases que expressavam a indignação. Entramos na Sé Velha, entrada gratuita.
E descemos mais um pouco,passando pela escadaria quebra costas, chegamos ao coração do fado. Lá há muitas lojinhas de artesanato, bares, e a Casa do Fado. É um lugar muito agradável e charmoso. Deu para escutar fado, enquanto passeávamos ali.

Saindo dessa área, entramos na rua do comércio. É uma rua espaçosa com muitas lojas de roupas, sapatos, artesanato e ouro, além de restaurantes, bares, e pastelarias. Não tínhamos intenção de fazer compras, mas sim andar. Pegamos ruelas, becos, passamos por praças. Entramos em outra igreja, que me impressionou muito. Era toda em azulejo branco e azul. Achei diferente.

A fome deu sinal de vida, então fomos ao Restaurante Zé Manél, segundo nosso amigos, não poderíamos  sair de Coimbra sem experimentar qualquer prato neste lugar, custe o que custasse.
Chegamos ao Restaurante Zé Manél,  já havia fila. Dois casais e um casal com um filho estavam na nossa frente.Tivemos que esperar quase uma hora no Beco do Forno até uma concorrida mesa ficar livre. Deu tempo até de escrever uma poesia a la Drummond:

No Beco dos Fornos havia uma fila,
Havia uma fila no Beco dos Fornos.
No meio do beco havia um Zé Manél,
Havia um Zé Manél no meio do Beco dos Fornos.
No Beco dos Fornos, havia uma fila,
Havia uma fila para comer ossos no Zé Manél.

O Restaurante Zé Manél é conhecido como Zé Manél dos Ossos, porque ossos é um prato famoso e bem servido. O restaurante é  pequeno, o ambiente é acolhedor, e os pratos tem nomes inusitados e são deliciosos. O preço é justo e honesto. O dono é o garçom, só existe 1 cozinheiro e 1 um auxiliar de cozinha.São 7 mesas ao todo, e praticamente localizadas ao lado do balcão, por onde vemos toda a movimentação e preparo da comida. Só existe um cardápio, o dono dá o cardápio, depois anota o pedido, faz recomendação dos pratos, explica a preparação, conversa, passa recado ao cozinheiro... é um lugar fantástico!
Ossos de Porco


Cogumelos Aporcalhados
Vomitado de amêndoa
Depois da comilança, caminhamos na beira do rio, atravessamos a Ponte Pedonal debaixo de 35 graus às 3 horas da tarde, um calor...no outro lado da ponte, as pessoas estavam tomando banho no rio, pense na vontade que deu de se jogar naquele rio, pense...
Fomos em busca do Portugal dos Pequenitos. Subimos ladeira, escadas...derretemos...e finalmente encontramos a disney portuguesa sem a turma do ratinho. Apesar de fascista, como disse nosso amigo, o lugar é bonitinho. Há um pedacinho de cada país que Portugal invadiu e colonizou a partir de 1400 (Brasil, Índia, Angola, Guiné Bissau, etc), tudo em miniatura. Tem também a Universidade de Coimbra e modelos de casas de várias regiões.
Não deu tempo para muitas fotos. Uma casa, ao lado do parque estava pegando fogo. A gente só enxergava a fumaça e ouvia o barulho de sirenes dos bombeiros. Decidimos sair dali logo. O incêndio também era perto do Mosteiro de Santa Clara Velha, por isso não entramos.
Atravessamos a outra ponte e percebemos que o melhor caminho para ir ao Mosteiro e ao Portugal dos Pequenitos é pela Ponte de Santa Clara, mas tudo bem, o caminho pedonal valeu também.
 Por essas e outras rações que Coimbra é sempre interessante e cheia de prazeres!

1 Comente aqui:

Rosângela da Luz Matos disse...

Salve, salve.
Os nomes das comidas do Zé Manél são de doer.
Vomitado e aporcalhados...é duro, viu!!!
Mas nos vamos visitar o Manél....

abs.