18 de ago de 2013

Porto pra que te quero

Um dia é pouco para Porto, mas nós fizemos o que era possível e vimos muitas coisas.

Pegamos um trem regional de Aveiro para Porto. Viagem que durou uma hora e o preço foi em conta.
Seguimos as recomendações de nossos amigos. Descemos na Estação de São Bento, que é antiga e muito bonita. Azulejos já retratam um pouco da história de Porto. O dia estava lindo, céu azul e temperatura  fria, mas agradável.Ao longo do dia esquentou bastante, chegando aos 32 graus.

Saindo da estação, que fica na parte alta e no centro da cidade, fomos descendo
até a Sé, Pelourinho e Museu de Arte Sacra. Em qualquer um desses lugares, a vista da cidade é maravilhosa. Continuamos descendo até chegarmos na Ribeira.

A Ribeira é um lugar muito gostoso, pena que não foi possível sentar e observar o cotidiano por muito tempo.Como era sábado, havia uma feirinha de artesanato bem na orla, mas não sei se tem todos os dias. Caminhamos na Ribeira e depois atravessamos a ponte e fomos para Gaia.
Em Gaia, decidimos pegar um barco e fazer um passeio pelo rio, que foi maravilhoso, embora o sol estava a pino, fazendo a pele arder sem sentirmos.
Ganhamos convites para degustar vinho do porto em duas caves. Decidimos ir em apenas uma. 
Acho que escolhemos bem. Degustamos o vinho do porto da qualidade Rubi e o Rosé. São muito bons. Mas eu não aprendi nada sobre a diferença entre eles.

O que ficou na minha memória é que, a origem do nome do vinho do porto, é que eles saiam de Porto para Inglaterra e outros países, mas a produção era feita em outra região, mas quando chegavam nos países importadores eram conhecidos como vinhos do porto.

Depois da degustação, pegamos o teleférico e fomos até o alto, assim veríamos Porto do alto de Gaia, e também poderíamos andar na parte mais alta da ponte e volta para o centro de Porto
O metrô,passa nesta parte da ponte, é preciso ter cuidado e evitar brincadeiras de emoções fortes.

Depois que atravessamos a ponte, caminhamos  pelo centro  e fomos até o Teatro. Andando, pensamos que conhecemos mais a cidade. Fomos para a Praça dos Aliados, que tem algumas lojinhas e cafés/bares/restaurantes bem legais. Aproveitamos para comer risoles, pastél de bacalhau (que nós conhecemos por bolinho) e samosa.

Estávamos prontos para continuar nossa andança. Entramos em igrejas, são lindas!Passamos por pracinhas, e finalmente encontramos a Livraria Lello. Eu passaria horas lá. A livraria é muito linda e tem um acervo incrível. Infelizmente é proibido fazer fotos lá. Por isso o passeio é imperdível.

Encontrei árvores com pedaços de toalhas de crochê, achei um charme!
 Saímos da livraria e fomos a Torre dos Cléricos. Continuamos andando, andando...decidimos encontrar os restaurantes indicados por nossos amigos. O primeiro, que era o mais perto de onde estávamos, estava fechado por conta das férias. Decidimos ir no outro. Tivemos que andar bastante, subimos ladeiras e escadas. Encontramos o famoso restaurante localizado no alto de um hotel que tem uma vista belíssima de Porto.Mas já era depois de 15 horas, apesar de ainda ter clientes,  a cozinha já tinha encerrado o expediente.

Descemos, escadas,ladeiras, ruas abaixo. Fomos ao Mercado Bulhão, mas estava fechado. Snif, snif,snif.... As lojas populares e não populares estavam de portas abertas...entramos no Majestic, um café chique, que lembra muito a Confeitaria Colombo do Rio de Janeiro. Estava lotada. O cardápio não nos apeteceu. Seguimos adiante.

Voltamos para Praça dos Aliados à procura de Tripas a Moda de Porto. Peregrinamos muito até encontrar um restaurante que tinha as tais Tripas,que são tripas, bucho, embutidos defumados, feijão branco, cenoura e jerimum. Sentamos, bebemos e comemos, tripas e a Francesinha, um sanduíche de pão recheado com filé, um embutido tipo calabresa,queijo e presunto. É coberto com queijo derretido e com um molho de tomate e vinho. As tripas e a francesinha estavam deliciosos!
Depois dessa comilança, voltamos para a Ribeira, uma caminhada na beira do rio foi boa para a digestão.
 O cansaço também bateu. Já era hora de deixar Porto e voltar para nosso lar em Aveiro.

3 Comente aqui:

Luma Rosa disse...

Oi, Roseane!!
A viagem está boa, heim?
Dizem que temos que estar dispostos a comer o que as cidades nos oferecem quando viajamos para que a cultura nos adentre :) Mas não sei se comeria tripa e bucho... Mas os doces portugueses eu não rejeito!!
Bom Domingo!!
Beijus,

Veneide disse...

Está ótimo! Fiz muitas coisas assim mas não postei. Preciso de mais tempo que você, deixo para depois e acabo não postando, rsrs.
Já estou na terrinha amapaense. Dan vem depois. Se cá vieres, peço me avise.
Estou percorrendo as estradas. Primeiro, foi a de Oiapoque/Macapá. Esse fds foi a estrada que leva a Cutias. Mais curta que a BR 156, porém inspira muita atenção também. Até ajudo os carros menores a sair de atoleiros, kkkk. Experiente, eu? Não...Jeitinho da estrada. Veja no FB fotos recentes do meu mundo selvagem.
Bjs em você e no Flávio. E boa continuação de viagens.

Alimentação e Saúde disse...

Oi Roseane! Que lindas as suas fotos! Dizem muito bem sobre o que é o Porto: uma cidade tranquila e muito receptiva.
Eu estive lá no inverno, mas alguns dias foram bem claros, com sol e até um calorzinho.
A experiência de conhecer o interior de Portugal foi muito interessante!! Vamos trocar figurinhas por aqui. Abçs, Arlete