16 de mai de 2010

Comidas para nutrir o corpo, alma e diminuir o banzo.

Não sei se acontece com todo mundo, mas comigo acontece.
Virei um pouco nacionalista, quando saí do Brasil. Eu não era tanto assim.
Quando estive em Berlim ano passado comprei uma bandeirinha brasileira e faz parte da decoração da sala.
O motivo para esse nacionalismo tem mais haver com saudades, lembranças e identidade. Mas não quero falar disso agora.
Quero falar de comidas.
Quando vejo algum produto alimentício brasileiro ou que é comum no Brasil eu não resisto. O preço, geralmente não é muito convidativo, mas para matar a saudade e o banzo que me impregna quase que diariamente, eu compro.
Tem certas coisas que "(não) tem preço"
Foi assim com a xicória proveniente do Japão, mas é igual a da região norte. E eu adoro.
O requeijão árabe, a tapioca também do Japão, e o Flavio usou para fazer tapioquinha, o mamão formosa brasileiro.
Ontem Hoje eu encontrei suco de acerola, o preço era o olho da cara ("não tem preço"?ou !).
No mesmo lugar comprei uma cerveja com a tampinha da bandeira brasileira. Só para matar a saudade, porque "saudade mata a gente, saudade mata a gente".
E como eu não quero morrer ainda, quero nutrir a alma e o meu corpo, vou tomar suco de acerola. A cervejinha vai ficar pra depois.
E por falar em tampinha com a bandeira do Brasil...Uma fábrica de cerveja daqui da Alemanha já entrou no ritmo da copa. A tampinha da cerveja  tem a bandeira dos países que vão jogar na copa. Achei a idéia legal.
Bom domingo!!!

Comentário da Vânia, irma da blogueira Zany no twitter:
Vânia Beatriz    webeatriz Ingá e açai são comidas que me nutrem o corpo e a alma! Confiram sobre o assunto no blog d @nutriane

22 Comente aqui:

Lu disse...

Oi Ro
concordo com vc. tem determinadas coisa que não tem preço (ou tem, sei lá?). Eu nunca fui tão chegada em mamão, mas agora eu não posso ver no mercado que me dá uma gana para comprar. Pena que aqui em Viena custa cerca de 6 euros o quilo, ou seja metade de um mamão formosa custa em torno de 5 euros.
Outras coisas tb é possível encontrar aqui em Viena, mas os preços são bem caros.
Bjs
Lu

Renata Monteiro disse...

Acho q se estivesse longe daqui, a coisa que ia sentir falta, e muita falta, era de farofa..... isso lembra minha casa, minha família, o céu de Brasília no domingo.... bjinhos e saudade de vc.

Rosivone disse...

Comidas e saudades, inevitáveis!!!
A relação entre comida e lembranças ultrapassa a questão geográfica. Morro de saudades do Evandro sempre que tomo açai, como torta de limão ou o churrasquinho do Eki ou a lasanha do La Traviata ou também o x frango do "freguês", enfim... quase toda comida me lembra ele, afinal ele era "bom de boca"
Bjs

Ivana disse...

Ah, Rô, nada como a comidinha que nos remete ao que consideramos intrinsecamente "nosso"! Sim, isto alimenta a alma!
Beijos!

Camille disse...

Oi Ro, claro que a questao da bandeirinha tem a ver com identidade. Ja a alimentação, tambem, mas no seu caso penso que tem um peso maior. Sua profissao lida com a comida, dona nutriane. E portanto isso tem mais valor para voce. Se eu nao estiver num lugar muito estranho, me adapto ao que tiver e nao sinto muita saudade nao. Mas tb nunca morei tanto tempo fora como voce. Mas vejo a minha irma por exemplo, ela nunca se queixa da falta de nada. Adaptada que esta. Mas para voce querida é mais importante, voce tem amor a comida, acho eu. E isso é muito bacana.
Beijos e mate as saudades sim, isso nao tem preço mesmo não.
Boa semana!
Cam

Webeatriz disse...

Mesmo não morando no exterior, o açai é minha saudade, porque aqui em PVelho tem, mas não tem o mesmo sabor do açai e Macapá/Belém

Wilma disse...

Oi Ane,
Nunca fiquei tão distante, e por tanto tempo assim, mas acho que também sentiria a mesma coisa que você. Sabe aquele CAMARÃO NO BAFO lá da Fazendinha? Sentiria muita falta dele.
Beijão

Wilma disse...

Oi Ane,
Nunca fiquei tão distante, e por tanto tempo assim, mas acho que também sentiria a mesma coisa que você. Sabe aquele CAMARÃO NO BAFO lá da Fazendinha? Sentiria muita falta dele.
Beijão

milton toshiba disse...

A paçoquinha Amor é imbatível, tanto aí como por aqui.

Boa semana

bjs

maysa carvalho disse...

Concordo com vc, apesar de morar no Brasil mas longe da minha regiao tbm sinto falta de algumas comidinhas q so tem no norte como: açai, tapioquinha e tacaca.. que saudade!
bjs

disse...

Minha linda, meu filho mais velho tá indo embora com a esposa para a California, morar em são Francisco e minha nora já com saudades de tudo, mas da comidinha brasileira com certeza els vão achar muita falta.
Quando você encontrar essas coisinhas gostosas tem mais é comprar mesmo, economize em outras.
Ro, tem um site que eu recebo dizárimente e-mail que estão precisando de uma Nutricionista, para colaborar com uma nova coluna.
Quem sabe você não se interssa?
O SITE É RAINHAS DO LAR OU
http://www.rainhasdolar.com/rainhas.php
dEPOIS VOCÊ MEESCREVE DIZENDO SE GOSTOU OU NÃO DA IDEIA.
BEIJOS E BEIJOS!

disse...

rÔ, ACHEI ACHEI O ENDEREÇO PARA VOCÊ LER A MATÉRIA É ESSE ABAIXO. mEU DO CÉU COMO SOU LERDINHA ...RSRSRSRS

http://www.rainhasdolar.com/index.php?catid=18&blogid=1
dESCULPA MINHA LINDA!

Jannine disse...

Matar saudades é algo que não tem preço, amiga.
beijinhos

Silvana disse...

Oi Ane!
Eu nem moro fora do Brasil mas aqui mesmo, em terras tupiniquins, sofro com o mesmo problema, só que por questões regionais.
Sabes, e não é de hoje, que sofro com a falta do meu tão querido e sonhado reencontro com o soverte de tapioca. E quando eu morava em Macapá sonhava com os sabores das coisinhas da casa da minha avó. Esses desejos humanos dão um trabalho e um prejuízo...
Mas acabei de descobrir que tem uma sorveteria perto da minha casa que tem um sorvete de tapioca delicioso... será? Será que voltarei à felicidade plena? Beijo.

eva mooer disse...

Oi Roseane... Passei, parei e li seu blog... Amei. Identifiquei-me com seu banzo. Quando morei nos EUA por três anos, meu coração chorava de tantas saudades das coisas do Brasil. Costumava ir a uma loja no Alabama chamada TJMAX, onde encontrava com brasileiros que moravam por La... Nunca os tinha visto, mas o simples som de suas vozes na loja me fazia correr entre as prateleiras e abraçá-los (loucura?) como se já os conhecesse... E (loucura dobrada) eles também me abraçavam de tanta saudades da terrinha querida....Entendo bem o que é banzo, a saudades do café,do pãozinho,da farinha,do sonho,pastel....e qualquer coisa que transportasse para cá mesmo que na imaginação, eu comprava.....rsrsrsr.Amei ter conhecido seu blog e voltarei para visitar Um grande abraço e sucesso para vc
eva

Zany disse...

Ro, pra entrar no ritmo da Copa e ao mesmo tempo amenizar as saudades, que tal reeditar aquele bolo verde-amarelo que você preparou algum tempo atrás. Bjs!!

Zany disse...

Ro, pra entrar no ritmo da Copa e ao mesmo tempo amenizar as saudades, que tal reeditar aquele bolo verde-amarelo que você preparou algum tempo atrás. Bjs!!

Eu, sem clone disse...

Oi Ro, adorei a bandeirinha na chaleira! Qto ao nacionalismo, é isso mesmo: qdo morei a primeira vez no exterior (quase 30 anos atras, rsrs) sentia falta de tudo, supervalorizava tudo que era brasileiro, sentia até saudade do que não prestava, rsrs. Confesso que valeu a experiência.bjs

Ernâni Motta disse...

Ro, a cerveja brasileira é imbatível!... rsrs. Os entendidos dizem que ela é muito aguada, mas, nesse nosso clima de 45º, à sobra, não pode ser uma cerveja forte. Agora, estou com a Wania, o açaí faz um falta danada. Aqui, no RJ, o que a gente encontra é só para diminuir a saudade, mesmo, porque com o sabor do Macapá não há.
Outra coisa, coloquei hoje aquela música que você me mandou o clip, como a do final dessa semana.

Beijos e tenha um ótimo fim de semana.

Fernanda disse...

Imagino que o nacionalismo seja uma forma de nos mantermos fieis ao nosso país, e faz ainda mais sentido, quando estamos longe.

Eu compreendo totalmente isso da comida,Rô, porque sinceramente até quando vou para fora de férias fico com saudades da comida portuguesa, kkkkkk...

Bom fim de semana.
Bjossss

endim mawess disse...

fazia tempo que não via essa palavra Banzo que os escravos africanos davam pra saudade da terra.

endim mawess disse...

fazia tempo que não via essa palavra Banzo que os escravos africanos davam pra saudade da terra.