20 de out de 2008

O Brasil ainda está choque

Com o caso do sequestro com final trágico da aodlescente Eloá.
Recebi por email essa análise e achei interessante divulgar aqui.
Foi escrito por Ana Reis.

A "crise amorosa" do Coronel Felix

A justificativa do coronel Eduardo Felix para explicar porque não atiraram num sequestrador que se outorgou direito de morte sobre duas mulheres, baseou-se no mito do amor: " é um garoto de 22 anos de idade, sem antecedentes criminais e com uma crise amorosa". O criminoso, pois sequestro é crime hediondo, motivado por ódio, transforma-se em um garoto enamorado,
nas mãos de quem o Coronel entregaria seu filho. O irmão de Nayara, que sabia o que estava em cena, não entrou no cativeiro.
Em cena, o direito de propriedade ultrajado do macho sobre as fêmeas da espécie. A mulher que se recusa a se submeter a essa lei é morta. É mais uma a ingressar numa enorme lista. O Coronel tinha essa lei em mente. Baseado nela, seu julgamento condenou Eloá `a morte.
Não podemos deixar passar mais esse caso emblemático do pacto dos patriarcas sobre a posse das mulheres. A imprensa foca em quem atirou, como se não se tratasse de machos se defendendo, não importa as consequências para as mulheres.Tudo foi feito para poupar o criminoso. Até deixar a amiga entrar de novo no cativeiro! E o Serra corroborando a ação da PM.
Crime passional não existe! A crime é a misoginia do sequestrador, dos policiais, do governador e da mídia!
As mulheres morrem porque os homens odeiam quando elas são mulheres, elas mesmas, em vez de SUAS namoradas, SUAS esposas, SUAS mães.
Não se trata de amor, trata-se de ódio. Ou isso fica claro ou nunca iremos dar conta da "violência" contra a mulher.

ana reis

0 Comente aqui: