24 de mai de 2015

Um poema para Ro

Direção que o coração aponta



Sonhos dementes
        insanos
     rodopio os olhos
         junto os panos
         faço a cama
     embrulho o piano

Enfio o coração
       no chapéu de três pontas
    e arreio o cavalo
partindo na direção que
      o coração aponta

Sei lá onde chegarei
  Oiapoque ou Chuí
Polo Norte,
    Polo Sul
mas seguirei minha batida 
      por aí


                                                          A vida é uma caixa de Pandora
                                                                        solta fogo, solta estrelas
solta dor e pandorgas
     no meio de tudo também te solta
e eu te agarro pelo cangote
         te fungo e te beijo
         e danço xote
         e pelo mundo
                           saímos
construindo nossa própria sorte.                      

                                                   Flavio




3 Comente aqui:

mulher disse...

lindo poema, ela deve tá toda pavulagem!

Luma Rosa disse...

Oi, Flávio!
É preciso seguir uma direção, que seja a do coração!
:)
Passando pra te deixar um afago na alma!
Beijus,

sandra torres disse...

Lindo, continue nos alimentando.