23 de out de 2014

A tigresa do Caetano na Quimiolândia


Hoje na Quimiolândia, 11º ciclo de quimioterapia semanal!

Tigresa - Caetano Veloso

Uma tigresa de unhas negras e íris cor de mel
Uma mulher, uma beleza que me aconteceu
Esfregando a pele de ouro marrom do seu corpo contra o meu
Me falou que o mal é bom e o bem cruel
Enquanto os pelos dessa deusa tremem ao vento ateu
Ela me conta, sem certeza, tudo o que viveu
Que gostava de política em 1966
E hoje dança no Frenetic Dancing Days
Ela me conta que era atriz e trabalhou no Hair
Com alguns homens foi feliz, com outros foi mulher
Que tem muito ódio no coração, que tem dado muito amor
E espalhado muito prazer e muita dor
Mas ela ao mesmo tempo diz que tudo vai mudar
Porque ela vai ser o que quis, inventando um lugar
Onde a gente e a natureza feliz vivam sempre em comunhão
E a tigresa possa mais do que o leão
As garras da felina me marcaram o coração
Mas as besteiras de menina que ela disse, não
E eu corri pra o violão num lamento, e a manhã nasceu azul
Como é bom poder tocar um instrumento

2 Comente aqui:

Rosivone disse...

Perfeito tigresa!! Letra linda e poética, acho que o Caetano fez um hino a mulher bem resolvida!!

Rosângela da Luz Matos disse...

Querida,
Toda a força da tigresa para enfrentares estes ciclos de químio.
É muito duro! Por mais humanizado que sejam os ambientes e sofisticadas as tecnès ... é muito duro conviver com esta invasão química. Uma batalha celular! Ficção científica no corpo da gente!
Quero aproveitar para agradecer o cartão que me enviou. Chegou na terrinha tem duas semanas. Mas só agora tive ânimo de escrever.
Sou bem mais silenciosa que você!
Beijo grande.