17 de mar de 2012

A solidariedade está no ar

Tenho recebido muito apoio e carinho de muita gente. Solidariedade manifestada nas mais diversas formas, como orações, mensagens e palavras amigas.

Desde a descoberta do câncer no dia 17 de fevereiro, eu recebi muitas flores, visitas, cartões, mensagens, emails, telefonemas... dos quatro cantos do mundo. Eu não tinha a menor idéia o quanto era querida. Porque eu também sou muito antipática também.
Mas acho que o câncer provoca compaixão entre as pessoas.

Eu também já recebi muitos presentes, nunca recebi tantos presentes sem ser meu aniversário como agora. Já ganhei flores (muitas), livros, filme, cds, almofada para ler, colar, vela, comidinhas: pão, chocolates, frutas, iogurte, chá, empadão de frango. Até o novo visual no cabelo foi presente.

Sem contar que várias pessoas, de diferentes nacionalidades, se ofereceram para limpar minha casa, fazer as compras, fazer companhia, preparar minha comida. Tudo isso é incrível!

Agradeço à todas as pessoas por esse imenso carinho e torcida para que eu vença esse invasor, esse inimigo silencioso e cruel que se apossou do meu corpo sem me avisar com antecedência.
Pô, podia pelo menos ter twitado, ou colocado no facebook, ou aqui na minha pavulagem, não é mesmo?

Se eu vivo com o inimigo, pelo menos a solidariedade está no ar, nos quatro cantos do mundo e isso me deixa muito feliz.
Bom final de semana!

3 Comente aqui:

Webeatriz disse...

Roseane , essa solidariedade toda é reflexo do quanto és uma querida. E ela , a solidariedade, é muito maior do que a manifesta atéa gora. Ainda hj eu estava na minha cozinha e em determinado momento meus pensamentos foram até vc, e me cobrei não ter te escrito uma mensagem, mas saiba que em pensamentos e orações estou contigo! beijocas!

Belinha Fernandes disse...

Olá Ro! Ando há dias para vir aqui dizer a você que desejo do fundo do coração que se restabeleça completamente. Finalmente cheguei cá mas já li que tem recebido apoio de muita gente, penso que isso ajude. Não sei se um dia acontecer comigo se eu vou contar... Eu sempre passo meus transes "roendo no corno" como aqui se diz!Simplemente não estou habituada a partilhar...Coragem, colega blogueira!Vi seu penteado novo e acho que lhe fica bem melhor! Comigo é assim: eu gosto de cabelo longo mas meu pai, cabeleireiro, enquanto eu era criança não deixou que ele crescesse! Quando me tornei dona do meu cabelo ele passou a dizer a toda a hora que não tenho estilo para cabelo longo!!:)

Fernanda disse...

É empatia, Roseane, porque já todos tivemos ou temos alguém em nossa vida que passou por essa malfadada doença!

Força aí.
Beijinhos