17 de mar de 2010

Ser paraense

Compartilhando o que recebi por email.
Sou amapaense, mas paraense de coração.
UM OLHAR CARIOCA...

Margareth Camargo

É verdade que existem coisas que só o Paraense tem e sabe.  Paraense gosta de ensinar e dividir o que é tão só seu. Paraense gosta de repartir suas esquinas, seus tucupis, tacacás e maniçobas, gosta de compartilhar o prazer de Ver-o-Peso de suas delícias e talentos, encanta a todos com suas estórias e causos, se faz criança, só pelo simples prazer de ver os seus e os nossos filhos brincarem felizes.
Paraense recebe quem chega, leva pra casa apresenta os amigos, sem medo de perdê-los, leva ao clube, mostra seus mangais, suas docas, suas tantas janelas, sua matriz, seus museus, seus boleros seus trapiches, e aos domingos, nos presenteia com um farto café da manhã nos arredores do majestoso teatro onde o maior espetáculo é a Paz.
Povo carinhoso, hospitaleiro, chama a todos de mano, mana, maninho, fica logo amigo, faz almoço, jantar, leva pra dentro de casa, prepara açaí, com farinha d'água ou de tapioca, com açúcar ou sem, com charque, pirarucu ou sem nada só ele purinho, te presenteia com um bate-papo sem compromisso, e ainda oferece à rede pra dormir a sesta depois do almoço.
Paraense gosta de brincar por que é feliz, se diverte ao jogar suas “petecas de gude”, se alegra ao ver seus papagaios bailarem ao ar, pois com eles, voam seus sonhos e fantasias, não se incomoda com as mangas que caem em seus carros e em suas cabeças, por que elas os alimentam o físico e refrescam suas almas, com a oxigênica proteção de suas copas frondosas.
Paraense tem: cheiro gostoso... Cheiro caboclo, cheiro de vento, de mato, de chuva, de terra molha, de moça faceira, de maré, de peixe, de argila marajoara, de patchouli. Paraense conta as estórias do boto, do moço bonito com pitiú de peixe, mas que mesmo assim, encanta e enfeitiça as moçoilas em noites de lua cheia.
Paraense é mesmo assim, cabra orgulhoso por essa mistura indígena morena, brejeira e gostosa de ser, um autêntico índio misturado a tantas outras culturas, o que com certeza os torna muito mais especiais! Sente prazer em suas águas, barrentas ou azuis transparentes, quentes ou frias, por que ele tem ilhas, rios, baias e mares que lhes foram presenteados por Deus.
         Paraense tem verão o ano inteiro, apesar das chuvas... Mas tem o alto verão, quando à maioria do povo brasileiro treme de frio, o Paraense desfruta dos prazeres proporcionados pelo barrento Guamá, pela baia do Guajará, pelo azul e límpido Tapajós, por todas as tranqüilas belezas do Algodoal, pelas Salinas calmamente traiçoeiras, Marudá e Mosqueiro tão aprazíveis.
 Paraense, é um povo que pode exibir o ano inteiro um bronzeado magnífico acentuando a beleza de sua morenice cabocla. Paraense é povo festeiro amigo, encantador. Em todo canto tem violão, karaokê, guitarra, cantantes... , carimbó, síriá, treme terra, permitindo a todos um bailado contagiante.
Paraense é um povo que tem opções pra tudo, até quando não quer nada fazer, pode simplesmente olhar pelas varandas do velho “Manoel” e contemplar as belezas de uma terra maravilhosa, e o caminhar de um povo lindo que também é índio, místico, curandeiros, intelectual, e feliz, pelo simples fato de ser PARAENSE!
 Essa é a visão de um povo a partir do olhar de uma Carioca que se apaixonou e foi tão bem recebida por essa terra e por essa “FANTÁSTICA” gente que sente prazer em compartilhar com todas as gentes, as coisas da sua terra da sua cultura e de sua vida, oferecendo a todos os que por lá passam, as maravilhosas coisas que só o Paraense tem.
 

6 Comente aqui:

Mary disse...

Esse é o povo brasileiro!

Ivana disse...

Rô, somos mesmo bem assim...
Adorei!
Beijos!

Camille disse...

Deve ser muito bacana mesmo, assim como ser macapaense! O paraense eu conheço o sotaque. A maioria ds pessoas fala: bonitinio, ao inves de bonitinho, que o carioca ja chamaria de bunitinhu, e por ai vai o jeito de falar que caracteriza as populaçoes. É lndo isso!
Beijos da Cam

Zany disse...

Ro, o macapaense não difere muito do paraense, afinal fomos formados da costela do Pará, né não?!!Bjs!!

Celia disse...

Oi Rozinha, como estao as coisas com vc? Bom fim de semana. Bj

Alcilene cavalcante disse...

Amei o texto.